Diferenças entre diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2

Diferenças entre diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2

Muitas pessoas não conhecem as diferenças entre diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2 e acabam negligenciando alguns cuidados. Por isso, hoje vamos explicar a peculiaridade de cada uma e mostrar como garantir o bem-estar em cada caso.

Características da diabetes tipo 1

A diabetes tipo 1 é uma doença autoimune, na qual o pâncreas tem incapacidade total ou parcial de produzir insulina. Isso acontece por causa de uma informação errada que o sistema imunológico recebe para atacar as células betapancreáticas, responsáveis pela produção de insulina. Ela costuma desenvolver-se na infância ou adolescência.

Então, sem insulina (ou com uma quantidade insuficiente), a glicose não pode ser conduzida para as células do corpo. Consequentemente, o organismo não recebe a energia necessária e a glicose produzida permanece, em demasia, na corrente sanguínea.

Sem a energia provinda da transformação da glicose, o corpo busca outros recursos para continuar funcionando, de forma paliativa. Assim, utiliza parte da reserva de gordura do organismo para produzir energia. Isso gera uma rápida perda de peso e fome em excesso.

Além disso, o processo de utilização da gordura na produção de energia, provoca a formação de corpos cetônicos no organismo. E, se em excesso, podem comprometer o equilíbrio ácido-básico do corpo, configurando a Cetoacidose Diabética (CAD). Seus principais sintomas são náuseas, dores abdominais, hiperventilação (aumento da quantidade de ar que entra no pulmão) e hálito cetônico.

Entretanto, se tratada adequadamente, com aplicação de insulina, controle alimentar e prática de atividade física monitorada (seguindo sempre as orientações médicas), é possível suprir a falta de insulina no organismo e viver bem, de forma saudável, sem complicações.

Características da diabetes tipo 2

Diferente do que acontece com o tipo 1, com a diabetes tipo 2 o pâncreas é capaz de produzir insulina, mas em baixa quantidade e/ou o organismo é resistente à ação da insulina. Neste caso, o problema surge por predisposição genética aliada a hábitos pouco saudáveis e obesidade, geralmente após os 40 anos.

Quando a pessoa consome muitos alimentos com alto índice glicêmico (doces e carboidratos, por exemplo) e não pratica atividade física, o fígado produz mais glicose do que o necessário para a formação de energia. Então o que “sobra” o corpo transforma em gordura extra.

Se esse processo se repete por muitos anos, pode acontecer de, em um determinado momento, o organismo não conseguir mais transformar a insulina em energia de maneira adequada. Com isso, a glicose não utilizada entra na corrente sanguínea, podendo provocar inflamações nos órgãos.

Por isso os rins se esforçam para eliminar o excesso de glicose, aumentando a necessidade da pessoa urinar e também beber água. Entretanto, a eliminação pela urina não é suficiente e grande parte da glicose excedente permanece no sangue.

Em contrapartida, com o aumento da glicose no sangue, o pâncreas amplia a produção de insulina, na tentativa de sanar o problema, ficando sobrecarregado e sem resultado (já que a insulina não consegue cumprir sua função). Essa sobrecarga, após algum tempo, pode gerar uma estafa no pâncreas, que diminui ou para a produção de insulina.

Porém, ao contrário do que acontece com a diabetes tipo 1, neste caso o pâncreas pode voltar a produzir insulina se os níveis de glicose no sangue forem controlados. Esse controle pode ser feito através de monitoramento diário, medicação, aplicação de insulina (apenas em alguns casos) e hábitos saudáveis.

Cuidados gerais – diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2

Por isso, é fundamental ter uma alimentação balanceada, praticar atividade física, dormir bem e cuidar das emoções/situações de stress. Além disso, fique atento aos sinais do corpo e não deixe de fazer os exames médicos rotineiros.

Pois, independentemente de qual seja o seu caso, se você identificar e respeitar as necessidades do seu corpo e se cuidar de verdade, terá muito mais disposição e oportunidades para aproveitar as coisas boas da vida!

2 comentários em “Diferenças entre diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *